"As piras de Angel..."

Dedico este blog ao Amor e às incógnitas da vida, responsáveis pelos mais belos insights. Caminhando rumo à evolução do corpo, da mente e da alma, eternamente...

"Espíritos fortalecidos de paz deixavam de chorar, neste tempo, grandes energias passeavam aos corações. Fomos lançados ao infinito..."

sábado, 20 de maio de 2017

Pela valorização da Vida e da Mente

Após o suicídio do cantor Chris Cornell nesta semana, senti que deveria falar a respeito deste assunto visto por muitos como fraqueza ou bobagem.

Vamos às loucuras da mente...onde as sinapses mais parecem grandes explosões de galáxias do que um simples mecanismo celular.

Alice era uma mulher feliz e amava sua vida, mas naquele dia ela não estava bem após uma briga conjugal.
Foi então dominada por pensamentos negativos e autodestrutivos, ela sentia-se profundamente sozinha e também as dores do mundo, o inferno era a sua mente naquele instante. Sentia-se culpada por sentir tudo aquilo de ruim, afinal, a vida para ela era o bem mais precioso.
Em um momento de impulso, como que em uma "explosão galáctica", resolveu ingerir alguns comprimidos de uma medicação na qual um dos efeitos colaterais é sonolência, naquela noite ela apenas teve um sono mais pesado e pesadelos. Alice voltou com sua vida ao normal, mesmo diante de dias tristes que ali se instalavam. Ela sabia que não havia ingerido aqueles comprimidos para chamar a atenção, mas ela não via outra forma de aliviar aquele sofrimento profundo que sentia.



Dias depois, após outra discussão, uma nova "explosão de galáxias" ocorreu novamente, mas desta vez a galáxia seria muito maior. Foi um de seus piores dias da vida.
Em um momento de profunda tristeza, de pensamentos negativos e baixas energias, ela não poderia suportar tamanha tristeza, ela só queria apagar por instantes e acordar feliz novamente, como um computador que você desliga ao travar, e ao ligar novamente tudo estaria bem.
Mas pessoas não são como computadores.
Naquele momento fora de si, ela ingeriu 5 comprimidos da mesma medicação usada anteriormente. Alice estava sozinha em sua casa.
Naquele momento, ela queria TUDO, menos morrer. Ela apenas queria desligar por momentos, como uma fuga daquele sentimento tão profundo e triste, sua dor era insuportável.

Pouco tempo após ter ingerido os remédios, em sua cama, podia sentir seu corpo anestesiado e pesado, sentiu que sua pressão estava caindo, mas nada mais ela poderia fazer, pois mal podia movimentar-se.
Ali ela continuou por mais algumas horas, e o efeito do remédio só parecia aumentar. Alice estava em um sono superficial, hora acordava, hora dormia, dentro de pequenas alucinações causadas pelo excesso da substância.
Após talvez umas 2 horas, Alice sentiu muita vontade de ir ao banheiro, sua bexiga estava apertada. Mas ela percebeu que não conseguia se mexer, não era possível levantar um músculo, sua respiração estava lenta, e seu corpo pesado, percebeu então que não conseguia nem ao menos mover-se para virar de lado, tinha vontade enorme de chorar mas nem as lágrimas saíam.
Adormeceu novamente naquela tristeza profunda e acordou tempo depois com uma vontade maior ainda de ir ao banheiro, sua bexiga doía muito.
Alice criou forças, e mesmo dentro daquele peso e zumbido nos ouvidos, levantou-se e foi até o banheiro apoiando-se nas paredes para não cair. Ao sentar-se no banheiro, ainda apoiada nas coisas ao seu redor, sentiu que seu coração acelerava e batia com todas as forças. Seus braços pareciam cair sozinhos sem forças e Alice foi dominada por um medo absurdo de morrer, pois pôde sentir a realidade da morte naquele instante e achou que fosse cair no chão naquele momento, mas respirou rapidamente e voltou para a cama (também apoiando-se) onde lá ficou imóvel até o dia seguinte.
Foi talvez a pior noite de sua vida, perdendo apenas para noites de falecimento de algum ente querido.
Alice sentiu-se aliviada por não ter tido sucesso na sua tentativa de desespero, talvez no fundo ela não tivesse a "coragem" necessária para tomar ainda mais comprimidos, mas ela não sabia o que poderia ocorrer com seu corpo ao tomar aquela dose alta.

Este era o sentimento de Alice, mas cada pessoa que tenta acabar com a própria vida sente algo diferente.
O suicídio vem de algum quadro depressivo e merece atenção para que se tenha um tratamento adequado para cada caso.
E agora me peguei pensando no que ocorreu com Alice...sem dúvida alguma ela teria se arrependido se acabasse morrendo em sua tentativa de "apagar" por instantes.
Uma pessoa está fora de si quando age para tirar sua própria vida e nos mostra que algo não vai bem. Provavelmente a grande maioria daqueles que cometeram suicídio com sucesso se arrependeriam instantes logo após o ato.

Este tema nos mostra que não podemos tratar o suicídio como fraqueza, afinal ninguém trata como fraco um diabético pela sua doença, no caso do suicídio é a mente que precisa de "ajustes".

A vida aqui é um presente infinito, devemos transformar as adversidades em um degrau para o amadurecimento e evolução pessoal.

Devemos rever valores de vida, da alma e da mente, para darmos o real valor que nossa vida tão PRECIOSA merece!


segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Meus dentes e um pesadelo...

Sei que este blog fala sobre a vida e seus questionamentos...mas já estão aqui alguns posts sobre sonhos...
Lembrando que um sonho é algo muito particular e pessoal, mas aqui no blog descrevo sempre sonhos marcantes, que me tocaram de alguma forma.
Então lá vai mais um...


Noite retrasada, na noite do dia 31/12 para 01/01, tive um pesadelo com meus dentes.
No sonho, alguns estavam bem moles e outros já haviam caído. Mas o que mais me marcou foi que uns 3 dentes molares inferiores estavam pretos, eu podia enxergá-los por dentro e estavam podres, também havia sangue ao redor e perto deles. 
Uma cena horrível. E pude sentir com realidade a sensação dos dentes moles quase caindo...desesperador. Parecia realidade.
Eu me olhava no espelho vendo e sentindo aquilo tudo, e no desespero acordei.

Na vida real e não no sonho, por coincidência, eu estava com uma afta na bochecha bem ao lado de onde estavam aqueles dentes piores no sonho...por isso talvez eu tenha sonhado com isso...sei la

Minha curiosidade me fez correr pelo google sobre estes sonhos...há várias teorias...
Mas de fato queria saber o que significou este sonho?

Alguém estuda sonhos aí?

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O Amor, por Viktor Frankl

Este post não relata minhas palavras...
Mas define a forma que penso e que sinto...


Essas palavras foram escritas pelo psiquiatra Viktor Frankl, no qual relata sua experiência física, emocional e espiritual após ser sobrevivente de campos de concentração nazistas, onde lá ficou por anos.

"Um pensamento me sacode. É a primeira vez na vida que experimento a verdade daquilo que tantos pensadores ressaltaram como a quintessência da sabedoria, por tantos poetas cantada: a verdade de que o amor é, de certa forma, o bem último e supremo que pode ser alcançado pela existência humana. Compreendo agora as coisas últimas e extremas que podem ser expressas em pensamento, poesia - em fé humana: a redenção pelo amor e no amor! Passo a compreender que a pessoa, mesmo que nada mais lhe reste neste mundo, pode tornar-se bem-aventurada, ainda que somente por alguns momentos, entregando-se interiormente à imagem da pessoa amada. Na pior situação exterior que se possa imaginar, numa situação em que a pessoa não pode realizar-se através de alguma conquista, numa situação em que sua conquista pode consistir unicamente num sofrimento reto, num sofrimento de cabeça erguida, nesta situação a pessoa pode realizar-se na contemplação amorosa da imagem espiritual que ela porta dentro de si da pessoa amada. Pela primeira vez na vida entendo o que quer dizer: Os anjos são bem-aventurados na perpétua contemplação, em amor, de uma glória infinita...
...Meu espírito ainda se apega à imagem da pessoa amada. Continuo falando com ela, e ela continua falando comigo. De repente me dou conta: nem sei se minha esposa ainda vive! Naquele momento fico sabendo que o amor pouco tem a ver com a existência física de uma pessoa. Ele está ligado a tal ponto à essência espiritual da pessoa amada, a seu "ser assim" (nas palavras dos filósofos) que a sua "presença" e seu "estar aqui comigo" podem ser reais sem sua existência física em si e independentemente de seu estar com vida. Eu não sabia, nem poderia ou precisaria saber, se a pessoa amada estava viva.
...As circunstâncias externas não conseguiam mais interferir no meu amor, na minha lembrança e na contemplação amorosa da imagem espiritual da pessoa amada. Se naquela ocasião tivesse sabido: minha esposa está morta - acho que este conhecimento não teria perturbado meu enlevo interior naquela contemplação amorosa. O diálogo intelectual teria sido intenso e gratificante em igual escala. Naquele momento me apercebo da verdade: "põe-me como selo sobre o teu coração... porque o amor é forte como a morte."

Viktor Frankl
Em Busca de Sentido

sábado, 5 de novembro de 2016

Grandes Energias...

Como já diria...
Depois de toda tempestade vem a calmaria. 


E se soubermos enxergar sempre como uma tempestade pode nos transformar interiormente, amadureceremos sempre com ela. 
Não falarei da tempestade aqui, afinal este post é dedicado à "calmaria" que aqui se instala.

É SENTIR a beleza da vida, mesmo sentindo também toda a sua tristeza.

A energia é algo muito real em nossas vidas, devemos acreditar mais nela. A energia das coisas, a de nós mesmos...e a energia que vamos sintonizar.
Se estamos bem sintonizados energeticamente, dificilmente algo irá nos tirar do eixo, tirar nossa paz. Podemos até sentir algo incômodo, mas não iremos afundar...

É como um amadurecimento. Um entendimento. Pois mesmo ciente de todas as injustiças e tristezas do mundo, respirar fundo e seguir em frente. Há um tempo eu não tinha essa força necessária pra viver num mundo onde eu não sentia estar bem ajustada, mas agora sinto que tenho essa força...algo bom e muito forte, carregado de fé e amor...

A frequência que aqui se instalou é alta...pode subir ainda mais claro, mas tudo no seu momento. 

Como é bom sentir o sentimento de amor pelas pessoas e seres que amo...
Como é bom perceber o canto dos pássaros no silêncio da tarde...
Ver as abelhas polinizando as flores lilás e laranjas do jardim de casa...
Ver o voo dos insetos passeando pelo céu...
O cheiro da chuva...
Os toque dos raios do Sol no rosto...

A magia presente por entre as estrelas no céu a noite... Como ocorreu em uma madrugada esses dias, era tão forte esse sentimento de vida e gratidão que meus olhos não conseguiam desgrudar das estrelas, como se eu estivesse hipnotizada por toda aquela imensidão.
Gratidão infinita.

Há muitas dúvidas ainda a respeito da vida, que me acompanharão por um longo tempo, mas há também a certeza da presença de todos esses bons sentimentos na gente. Nada pode nos tirar isso de dentro do coração. E isso pra mim já basta. É divino e mágico.

É algo tão puro e bom o que sinto aqui dentro, que me fez lembrar agora de um trecho de uma música que meu pai compôs antes de eu nascer...
"Grandes energias passeavam aos corações, brilha nossa verdadeira luz!"

E voltando na tempestade interior a que me referi no início do post, me peguei pensando olhando pela janela após uma forte tempestade de chuva e vento dias atrás. Após cessar toda a água que caía forte no céu naquela tarde, uma calmaria se instalou em seguida. Um silêncio, interrompido somente pelo forte canto dos pássaros, cantos diferentes, como que agitados voando pelos ares. Naquele momento me dei conta de que aqueles pássaros não estavam cantando felizes e contentes como a chapeuzinho vermelho passeando pelo bosque, mas sim agitados, alguns aflitos e desesperados, pois é sempre após uma tempestade que muitos ninhos são destruídos e seus filhotes mortos. E apesar de todo aquele voo agitado e aflito que pude sentir dentro de mim, existia a esperança e o dever da reconstrução, que ali parecia já se iniciar. Todo aquele agito nos ares...era a vida recomeçando na calmaria de mais um dia.



terça-feira, 11 de outubro de 2016

Entre grãos de areia...

Vou começar meu post de hoje com a nova foto do blog...
Nada contra a foto antiga, pelo contrário, gosto muito dela e realmente é a imagem que me faz sentir o infinito, mas faltava um toque mais meu no momento. Eu mesma a tirei...em uma bela praia...com o detalhe da raia passeando por ela...

E assim como o céu estrelado da foto antiga me faz viajar pelo infinito, grãos de areia e a simples vida de um "pequeno animal" também o fazem.
Jamais me esquecerei da textura lisa e suave da raia passando pelos meus dedos e minhas pernas...indescritível.


Ando muito pensativa nos últimos dias...de uma forma positiva!
E pra variar, sobre a Vida.
E não é a toa que escrevo aqui com os olhos cheios de lágrimas, porque tudo isso é tão imenso, complexo, belo. Vai além de nossa compreensão. São lágrimas de emoção, uma alegria misturada com tristeza...por tudo.
Por tudo o que foi, pelo que é, e por tudo o que virá...

Há muita energia ruim neste mundo, mas mesmo diante de todos os tormentos da vida, sejam físicos ou psicológicos, é preciso ter forças pra seguir em frente e avançar.
E pra isso é preciso sintonizar as boas energias...sejam elas uma pessoa a quem amamos, as pétalas de uma pequena flor ou as asas de uma borboleta.
Não se pode deixar contaminar-se pela escuridão de energias ruins, mas sim iluminar.

Já passei por momentos muito escuros...nos quais as tristezas do mundo consumiam meu corpo ao ponto máximo, pensei em desistir da minha própria vida, mas hoje vejo que cresci com tais sentimentos horríveis...pois vejo que a Vida é preciosíssima, e sim, apesar de todo o sofrimento, próprio ou alheio, temos que ter coragem pra enfrentar seja lá o que ocorra.
E mudar...
Crescer...
Amar...
Só assim se evolui.

E é aí que eu quero chegar com este post...
Na efemeridade da vida...
No sopro em que ela se define...
No viver a vida cada segundo, não de uma forma clichê, mas intensa e sincera consigo mesmo.

E o que nos guia neste caminho de verdadeiro sucesso, é o Amor...a fé.
Amarmos... E estarmos com quem amamos não é apego à matéria, mas sim uma conexão de energias necessária à saúde da alma.

Não sei o que há depois desta vida aqui, mas sei que quero levar comigo na alma do coração todos aqueles que amo até o infinito...

Volta e meia lembro-me deste meu outro post sobre Viver a Vida...e justamente dele me lembrei agora:


Minhas próprias palavras deste post antigo me enchem de vida quando as leio...e de fato é o que eu continuo pensando.

Não sabemos o plano para o qual fomos inseridos aqui, mas a vida parece se resumir em sentimentos e despertares...Em profundos insights que nos elevam... e é preciso muita gratidão por termos tido a oportunidade de sermos inseridos por entre grãos de areia e aveludadas pétalas de flores...


sábado, 25 de junho de 2016

Conexão e relatividade...

Entender a vida nem sempre é fácil...mas é algo que está tão forte dentro de mim que eu seria inerte como uma pedra caso não me questionasse a respeito.

E a grande pegadinha de tentar entender a Vida é que há um observador por trás de tudo isso. Esse observador chama-se eu, chama-se você. E o entendimento de Vida depende do entendimento desse observador, ou seja, sempre será algo relativo, pois depende de uma mente específica. E entender a mente é tão complexo como entender o Cosmos à fora, e aí encontramos um ciclo vicioso. Tentamos entender a vida mas nem nos damos conta de entendermos à nós mesmos. Ou ainda pior...caímos na pegadinha de afirmar que o céu é azul, mas não aos olhos de um cachorro ou de outro animal. 

Sim, tudo é relativo.


Mas há esperança em tentar buscar respostas às nossas perguntas...
E para isso precisamos nos conectar... Pensar menos e sentir mais. Nossa mente é capaz de ir infinitamente longe quando paramos para sentir mais... 

Conexão, é o que precisamos.

E podemos nos conectar de diversas formas...
Deixar ser levado para o universo à fora através de uma música, sem pensamentos, somente sentimentos.
Há tanta, mas tanta coisa além de você no Cosmos, mas ao mesmo tempo tudo isso pode estar em você se conseguir sentir. 

Pensar em tudo isso, em tudo o que existe...sentimentos, universos paralelos, células, vida, morte... pode gerar um colapso na sua mente e a loucura é fácil instalar-se, como volta e meia acontece comigo. Mas talvez se sentirmos e não apenas pensarmos, talvez mais respostas apareçam, e não apenas isso, já que não é apenas de respostas que se vive a vida, mas de sentimentos. É o que sentimos que define nossa alegria ou tristeza, é o que sentimos que define quem somos, é o que sentimos que nos guia, é o que sentimos que carregamos até o infinito e nada pode nos tirar...
Acredito que sentimentos sejam uma forma de energia, e a energia não se perde... por isso espero levar comigo sempre o que sinto, mesmo quando o corpo não estiver mais por aqui...por toda a eternidade...

Que coisa louca tudo isso. 

Essa música me ajuda a viajar a mente...me ajuda a me conectar com algo que não sei exatamente o que é...talvez sejam estrelas... luzes... seres... sentimentos... dimensões... células... me parece algo tão abstrato, tão longe da matéria que conhecemos...mas incrivelmente real, como se tudo fosse energia, como se tudo fosse sentimento. 

É uma conexão tão boa...pois vemos que a vida é muito mais do que aquela que vivemos aqui, mas ao mesmo tempo ela é tudo o que temos para viver nesse tempo presente, e o tempo também é relativo...

Ai, acho que entrei em um novo ciclo vicioso.
Não consigo pensar na relatividade do tempo agora, consome muitos pensamentos e energia...
Mas "peraí"...posso tentar sentir ...

domingo, 12 de junho de 2016

Sensibilidade ou loucura?

Somos humanos e temos diversas emoções, boas e ruins, o problema está na intensidade de como os sentimentos surgem.

Definir o que sentimos nem sempre é fácil...algumas coisas parecem até mesmo não ter rótulos.


O que seria viver o auge da alegria e o auge da tristeza ao mesmo tempo? 

É sentir gratidão o tempo todo, até pelo coração batendo a cada segundo.
É ter a certeza de que essa vida aqui é única e valorizá-la.
É sentir amor, paz e uma alegria imensa simplesmente por existir.
É sentir arrepios de felicidade...
É uma vontade infinita de mudar o mundo para melhor. 
É uma vontade de chorar de alegria.

Mas também é sentir uma tristeza imensa...tão imensa que parece não caber no peito.
É sentir as dores do mundo...injustiças, sangues derramados de diversas formas...(como posso viver feliz se há coisas que precisam ser mudadas?!)
É sentir uma tristeza até mesmo com uma simples palavra agressiva de alguém.
É querer chorar sem motivos...
É ter inúmeros pesadelos, desde criança...
É não querer mais estar nesse mundo.

Diante desses dois pólos extremos, penso que nada sei. Por diversas vezes achei que estava perdendo a sanidade e ficando louca, mas hoje com a mente tranquila, analisando...me parece mais que estou enxergando mais a realidade e não menos. Mas também é só o que sinto e que me veio na cabeça agora, pode não ser.

O que seria isso? Talvez a resposta eu só encontre dentro de mim, ou talvez não.

Seria uma sensibilidade de alguma forma? Como a energia.
Ou seria um cérebro doente?

É como sentir sensações diferentes com certas pessoas. Sabem do que estou falando?
É quando a presença de alguém te incomoda de uma forma que não tem explicação, aquela pessoa nunca lhe fez nada, mas simplesmente pela presença dela, vem um incômodo inexplicável, uma angústia, uma tristeza e uma vontade pequena de chorar sem saber o motivo.
Da mesma forma, existem aquelas pessoas que te trazem algo bom com a presença delas, uma paz, um carinho e uma vontade de ficar perto.

Coisas como estas eu também queria entender e saber o porque ocorrem.
Sempre fui assim, mas agora está muito constante e sinto que preciso entender isso ou vou enlouquecer, se é que já não enlouqueci.

Bom, acho que pra variar ando cheia de perguntas...



domingo, 22 de maio de 2016

Mente escura...

As vezes sentimos que não estamos bem ajustados energeticamente. 

É estranho. 

Sei que a maior parte de como nos sentimos é consequência de nossa própria mente, do que pensamos e atraímos. Mas também percebo que há algo externo à ela, e não somente interno.
Algo que não sabemos e que não vemos... energias externas à mente, sabe-se lá o que são.

E ao mesmo tempo, nossa mente pode ser capaz de algo que não compreendemos também.
E fica aqui a pergunta: como fazemos para saber qual dessas "forças" está nos influenciando? Se é uma loucura da mente, fisiologicamente falando, ou se é uma energia externa...uma vibração...em alguma frequência?

Hoje me peguei pensando... 
Que aquela brisa fresca de uma manhã especial batendo no rosto, o calor do sol aquecendo o corpo, e aquela paz que senti naquele momento, são coisas que me parecem muito distantes energeticamente hoje.
O porque eu não sei...são tantas coisas que nos influenciam como um verdadeiro bombardeio todos os dias que nem nos damos conta. Desde a química no organismo...alimentos, hormônios, vitaminas, atividade física, até o sol, a chuva, o frio, o quente, o modo de viver a vida...paz, estresse, etc.
São tantas as coisas que nos influenciam, mas talvez a maior de todas elas seja a maneira como sintonizamos nossa mente, nosso cérebro. 
Devemos sintonizar a frequência certa, é como sintonizar a frequência de uma radio e ouvir uma música que você gosta e que te faz bem, é sintonizar com a mente a frequência que nos deixa felizes e que nos faz termos boas atitudes e que nos faz sermos seres melhores por aqui...

É estranho sentir isso, essa sensação não apenas de não estar sintonizado em uma boa frequência, mas em uma outra mais baixa, uma mente de sombras e não de luz. Será um defeito na própria mente? 
Difícil compreendermos a nós mesmos.

 Nem sempre é fácil sintonizar...

Quero sentir novamente a paz de espírito...o calor do sol tocando o rosto, e mesmo que exista uma brisa fria como naquela manhã de abril, que a mente esteja aquecida e tranquila.

Já me peguei olhando várias vezes para esta foto...ela me faz lembrar do quanto era bom estar bem sintonizada...

quinta-feira, 10 de março de 2016

Ela e eu...


Esta noite tive um sonho que me tocou tanto que tive que registrar...
Era um sonho bom!

Eu estava em um quarto e então surgiu uma borboletinha voando e pousou nas minhas mãos.
Ela era pequena, marrom e com detalhes mais claros, como uma cor caramelo.
E então ela voou e pousou no meu cabelo, ao lado da minha cabeça, como que uma bela fivela. 
Fiquei surpresa mas achei legal!

Quando a senti em mim, me olhei no espelho para vê-la, e quis até mesmo fazer uma selfie, pois era belo o que eu via no espelho.

E de repente já não era mais ela que estava ali, mas sim uma borboleta enorme, quase do tamanho da palma de uma mão, inteira cor de rosa, assim como esta aqui da imagem. Tinha uma cor bem viva.  Era linda e batia suas asas lentamente enquanto estava na minha cabeça. As vezes ficava por entre meus cabelos.

Agora, o que mais chamou minha atenção no sonho foi a sensação que senti com o toque dela nos meus cabelos. Eu podia sentir seu peso e seus "pezinhos" tocando meu couro cabeludo, por um momento até me incomodou um pouco, deixando pequenas marcas avermelhadas pela presença dela ali, mas sua beleza era maior...e eu tive que ter todo cuidado do mundo para que ela não se ferisse por entre os meus cabelos.
Eu tentava fazer um selfie para registrá-la mas era difícil, acho que não consegui e logo desisti, pois tive que cuidar pra não machucá-la assim como não esmagá-la na minha cabeça.
Ela ficava ali parada e depois não lembro mais.

A sensação no sonho era de medo dela, pois era gigante, mas ao mesmo tempo era bom, pois era algo lindo apesar de desconhecido.

Só precisei registrar aqui!

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Sombras


Somos vítimas de nossas próprias mentes. 
É como não conseguir andar por se ter uma perna quebrada...Não se consegue pensar com um cérebro louco.
Pensamentos vem...pensamentos vão...
Hora alegria, hora uma dor intensa.
E já não sei mais quem sou.
Já não me entendo mais.
Somos capazes de fazer coisas horríveis com nós mesmos, apenas com o pensamento.
Vontade de abrir a cabeça, consertar, tirar oq não deve estar ali, e fechar de volta.
É possível sentir o corpo adoecendo...a mente também.
Só queria ter sido mais forte.
A vida, o universo...o sentimento de amor que sentimos por aqueles que amamos, tudo isto é tão divino, puro e belo, não faz sentido com o que sinto agora.
Sempre quis saber do grande segredo da vida, do porque de estarmos aqui e etc..mas hoje eu só queria entender o que se passa aqui dentro desta cabeça louca. Como eu queria entender. 
Já não me reconheço mais.
Sempre quis ser como uma borboletinha que está sempre em transformação. Mas não sabia que essa transformação poderia ser para pior. 
Imaginei que eu fosse sempre evoluir para o bem, e não para o mal...
As sombras existem. E existem dentro de nós.